Capítulo 5 Diário de uma medrosa Sobre a vida

Capítulo 5 – Sobre encontrar um propósito.

Quando encontramos algo que nos faz ter borboletas no estômago pra seguir a vida, acredito que seja pra dizer que reencontramos alguma paixão, algo que no fundo dá aquele tesão.

Estava eu seguindo a vida. Dia 01 de ‘como ser uma artista autônoma pela primeira vez na vida’. Dando google em cursos online: por onde começa-porque-nao-sei-nada-da-vidameajuda. Encontrei pelo caminho muito conteúdo, diversas fontes de informação atirando para todos os lados. E eis que me deparo com um sentimento:

-“Eu não sei vender o que eu sei fazer pois eu tenho medo de descobrir que no fundo não sou ilustradora boa o suficiente (merda!)”. Acredito que todo começo seja difícil. Principalmente quando não se sabe o que está fazendo direito. Mas percebi que era muito mais profundo que isso. Eu vim destruindo, ao longo dos anos, a pessoa que eu gostaria de ser. Pra quem acompanha o Diário De Uma Medrosa sabe o caminho até chegar aqui.

Entre enxaquecas e bruxismos, comecei uma profunda transformação. Muitas coisas estão acontecendo ao mesmo tempo, meus sentimentos estão a flor da pele, me sinto muito mais criativa, empolgada e nostálgica. Comecei uma revolução gigante dentro de mim, (estilo Gandalf vs Balrog) comecei a questionar todos os meus pensamentos sobre quem eu estava sendo. De onde vinha as sinapses das minhas decisões,  se do medo ou da alma. E todos elas, relacionadas à vida profissional, estavam vindo pelo medo. 

Ilustração é um planeta lindo que estou desbravando à anos. Essa coisa de achar o próprio estilo é um tema muito difícil pra mim. Nunca foi uma coisa que me pareceu fácil (e eu nem sei se realmente é), eu gosto de muitas coisas diferentes. Gosto de desenhar em vários estilos diferentes e isso me confunde até hoje. Em uma das minhas conversas com meu amigo Vitor Navarro ele me fez uma pergunta que até hoje, as vezes rindo, faço pra mim: “porque não desenhar então todos eles? Quem disse que não pode?”. Acredito que seja ainda, uma grande busca de um único estilo, não sei. E o engraçado foi que, depois desse começo de mudança interna eu encontrei um estilo que estou apaixonada (não sei que vai ser a partir daqui, mas acho que essa seja a graça da vida). E eis que no meio do caminho surge uma oficina que completou meu ser – Obrigada Si Souza pela dica mais-que-perfeita-da-vida – Design de Superfície, com orientação do Celso Lima, veio como uma pecinha de Tetris que encaixou perfeitamente. Fez todo sentido. Renovou muitos conceitos internos do bem e me lembrou da delícia que é voltar a estudar. Lá aprendi a criar estampas manuais o que uniu com meu amor à costura + ilustração + design (pela-união-dos-seus-poderes) e algo iluminou na cabeça. Eis que surgiu a ideia de um produto, feito com muito amor, alegria, propósito e muito trabalho. Estampar tecidos e criar Bags do amor.

Creio que seja o começo de algo novo. Estou amando mudar! E para fechar, recomendo também uma sessão de hipnose com a Edelweiss Souza. Obrigada mãe por ser um exemplo tão incrível e pelo apoio a essa grande transformação, vamos juntas.

Pessoas que ousam viver! Emoção + Significado + Forma |  Imagine . Crie . Inspire.

Obrigada a todos pela leitura deste texto. Abre os braços e aceita os conselhos do seu Grilo Falante 😉

Algumas estampas que criei durante o curso 🙂

Cartola – A vida é um Moinho (Azulejo Construtivo)

Manacá-da-Serra (Floral Brasil)

Cidade vs Natureza – Optico direto

Cidade vs Natureza – Optico Deslocado

Fresh – Decoupé (direto)

Imagens meramente ilustrativas ilustradas pela ilustradora Glaucia Souza 🙂 – Fonte do dicionário: https://www.dicio.com.br/ilustradora/

 

 

 

 

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply